domingo, 5 de agosto de 2012

songs of...

Eu não sou músico, tenho um violão que eu não sei tocar... mas um dia eu aprendo.

Só queria salientar o quão a música é importante pra mim... não sei diferenciar notas, não sei o que é lírico e barítono, mas eu sei ouvir e escutar a música... eu sinto ela... e foi assim a minha vida inteira... não há uma música que eu goste que não haja um motivo... pode até ser o motivo mais imbecil, mas é um motivo.

Farei um post sobre as músicas da minha vida... aliás, acho que serão vários posts.... um dia...




One day...

quinta-feira, 26 de julho de 2012

A grande dificuldade de se lidar com pessoas emocionalmente instáveis é a bipolaridade delas...

Eu conheço algumas pessoas bipolares e da mesma forma que elas são muito agradáveis quando estão de bom humor, quando elas estão de mau humor não há paciência que chegue...

É foda a pessoa em um dia estar toda sorridente, te abraçar, cantar, dançar e no outro você ficar meio receoso achando que a qualquer momento pode levar uma facada dela (tudo no sentido figurado, claro).

Eu nem sei o porque estou escrevendo isso... por isso parei por aqui...


Be there...

domingo, 17 de junho de 2012

...e então eu comecei a entender, que ninguém consegue se esconder da luz pra sempre.

E por mais que eu tentasse fechar meus olhos para tudo aquilo que pudesse me causar sofrimento, eu não poderia mais fazê-lo.

As circunstâncias muitas vezes nos atrapalham, mas na grande maioria das vezes somos os principais culpados de nossos fracassos.

Você não precisa acreditar em algo para que este 'algo' seja verdade. Mas acredite.

Parece sem sentido, mas sou só eu.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

consider this - :)

Nossa...


































Tenho algumas coisas pra postar aqui... tem a parada das músicas... e um texto sobre MMA... e uma coisa que eu só postarei se chegar bêbado em casa e conseguir ligar o pc... o que vai ser difícil pois criei um sistema anti-etílico para evitar NOVOS constrangimentos nas redes sociais... Rá!

quarta-feira, 9 de maio de 2012

more shit to your eyes

Tem certas coisas que por mais que tentemos fingir que não vemos ou que não percebemos não conseguimos realmente esconder a realidade dos nossos próprios olhos.

Não é nem o caso de não ter mais paciência, mas é que chega um certo ponto que se fingir de idiota enche o saco, principalmente quando falta OBJETIVIDADE no que se diz ou faz.

O que mudou? Nada. Nada mesmo. Sou o mesmo cara que ainda acha o background desse blog o mais foda de todos. Claro, o "nada" que eu digo é em relação a um curto período de tempo, não de 10 anos pra cá.

Talvez eu não esteja sendo muito objetivo também, mas pra você passar uma informação com confiança pra alguém, você precisa sentir segurança vindo do outro lado, a física mesmo explica isso, se você estiver empurrando com muita força uma alavanca que parece dura e de repente ela destrava, você provavelmente vai levar um lindo e épico tombo... agora se ela for segura e ir sempre da mesma forma você consegue exercer a força de forma correta e eficiente.

Não, alusões não são meu forte.

Bom, ainda faltam alguns nós... e minha cigana de confiança foi cursar Ciências Sociais... ok, mas uma alusão de merda.








epev

quinta-feira, 3 de maio de 2012

something again

Cada um de nós tem um modo de ver o mundo...

Uma coisa que eu sempre me pergunto é: - Como saber se o verde que eu vejo é o mesmo verde que você vê?

Parece loucura pra alguns, mas existem pessoas que entendem esse ponto de vista. (serão elas mais loucas que eu?)

Acabei de ver um video que falava sobre as dimensões fisicas da matéria (objetos 2D, objetos 3D), mas que pode se aplicar a parte não material da nossa vida.

Uma pessoa que nasceu no mato, cresceu no mato, lá se criou sem contato com o resto do mundo, não tem nenhuma noção de que pode existir algo diferente daquilo, pois está preso no que ele conhece.

Basicamente o que quero dizer, resumidamente por causa da minha dor de cabeça, é que tem muitas coisas que não podemos ver com os olhos... apenas com a mente, ou a alma, e quando aprendemos a fazer isso vemos o quão realmente ignorantes nós somos.

É, não sei porque fiz essa postagem.

open you eyes

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Life isn't a game,...

...is it?

Não ganhamos experiência matando monstros;
Não temos health points;
Não temos stamina points;
Não temos magical points;

Não temos save ou checkpoints, nem load game, cada ato é irreversível, e traz consequências, boas ou ruins;

Se falamos alguma coisa, é pra sempre, não tem volta, assim como se alguém nos fala algo também é pra sempre, você pode até deixar de lado, colocar na "caixa" de coisas sem importância, mas aquilo sempre estará em você;

"(...)but the imprint is always there, nothing is ever really forgotten."

Talvez seja por isso que algumas pessoas passam tanto tempo jogando, seria uma maneira de poder fazer coisas que não fariam na vida real, com a possibilidade de voltar e tentar novamente, de modo diferente. Afinal, seus atos não afetam nada além do personagem no jogo, não tem consequências sociais. Até um certo ponto.

É ai quando a pessoa substitui a própria vida pela vida virtual, preferindo a companhia de seres que pensam em números binários do que de pessoas reais... talvez porque isso pode garantir uma certa proteção contra uma possível decepção.

Li em algum lugar que esse fanatismo que algumas pessoas tem por zumbis seria um desejo implícito de poder atirar e matar alguém, mas sendo um zumbi (que está morto, obviamente) a pessoa não teria as consequências sociais, e penais, por praticar tal ato.

"(...)Must have stabbed her fifty fucking times, I can't believe it..."

Creio que isso também se aplique há alguns outros jogos como Counter-Strike e Grand Theft Auto, mas de formas diferentes, sendo estes apenas exemplos de um tonelada de jogos do gênero.

E temos também os jogos de simulação de realidade, como The Sims, em que você simplesmente faz as coisas que poderia fazer na vida real... algo que realmente não faz sentido, afinal no meu ponto de vista a graça de um jogo é justamente poder fazer coisas que não se pode na vida real, portanto qual o intuito de se jogar algo que simula a vida real? Talvez pela realidade ser tão trágica pra algumas pessoas que é melhor fantasiar de como seria se fosse perfeito...

"(...)you build up a world of magic, because your real life is tragic..."

Jogar é bom, mas quando os games começam a interferir na sua vida REAL, talvez (!) seja a hora de rever alguns conceitos...

.
.
.
Quicksaving...


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Nutshell - Alice in Chains
Vídeo


We chase misprinted lies
We face the path of time
And yet I fight, and yet I fight
This battle all alone
No one to cry to, no place to call home

My gift of self is raped
My privacy is raped
And yet I find, and yet I find
Repeating in my head
If I can't be my own, I'd feel better dead

*****

Essa banda é muito foda, o vocalista, um gênio louco. E morto. Say no to drugs, kids.